A pergunta que mais recebo sobre Power BI hoje em dia é essa: Por onde começar? Existem muitos caminhos que podem ser percorridos e eles devem se adequar à sua maneira de aprender. Entretanto, enfatizo que a falta do alicerce pode gerar muitos abismos entre você e algumas necessidades de execução no Power BI que eventualmente surgirão. Além disso, aprender Power BI tem várias trilhas necessárias e completamente distintas. Por exemplo, para efetivamente criar um projeto de business intelligence no Power BI transitando entre diversos níveis de complexidade, são necessários os seguintes conhecimentos (que resumidamente elenco em dois estágios):

Antes de ir para o Power BI (Isso mesmo! Começa antes!):

  1. Determinação dos Data Marts para conectar com as tabelas corretas e avaliar a performance delas.
  2. Trazer o volume certo de dados. Por exemplo, se eles vierem do SQL Server, ter conhecimento, mesmo que básico, da linguagem SQL para realizar consultas otimizadas.
  3. Conhecer sobre estágios de normalização e avaliar até onde normalizar ou desnormalizar seu projeto.

No Power BI:

  1. Ter conhecimento das funções M para tratar dados necessários no Editor de Consultas (Power Query).
  2. Relacionar suas tabelas corretamente para garantir a propagação de filtros que serão utilizados em cálculos e visuais (Relacionamento de ambos os lados não vale para tudo!)
  3. Ter conhecimento das funções DAX para, falando de uma forma bem simples, realizar cálculos (dominando o contexto de filtro e suas transições e propagações).
  4. Saber os visuais corretos para aplicar os cálculos realizados da maneira mais efetiva (existem outros gráficos além de colunas e pizza!). E essa parte não é “perfumaria” e interfere diretamente na legibilidade de todo o trabalho anterior realizado.
  5. Se necessário, aplicar RLS (Row Level Security) para segmentar o dashboard com as informações confidenciais necessárias para cada usuário.
  6. Avaliar como compartilhar: via web, link público, Sharepoint, embedded fora ou dentro do Azure, criar um aplicativo no serviço ou otimizar para o App no Android/IOS e conhecer quais tipos de contas utilizar (gratuita, Pro ou Premium).
  7. Avaliar a usabilidade dos painéis criados, reavaliar escopo do projeto, mudanças ou aprofundamentos necessários e, até mesmo, simplificar para aumentar a usabilidade e legibilidade.

Vou parar por aqui, apesar da possibilidade de detalhar cada tópico desse em mais muitos outros subtópicos. O mais importante é ter a ciência de que existem diversos caminhos que podem ser percorridos, bem como especializações, e que não necessariamente você precisa saber tudo, mas pode atuar junto a uma equipe multidisciplinar que domina partes desses caminhos para minimizar a possibilidade de parar no meio da estrada, perder tempo ou até mesmo abandonar um projeto.

A facilidade de criação de visuais no Power BI é realmente tentadora. É só arrastar um campo e um lindo gráfico é criado. Não para por ai. É preciso avaliar seus dados, performance, usabilidade, organização, reutilização, acesso, atualização, mutabilidade, crescimento, etc.

Então, por onde começar? Parece complexo e infinito, mas foque em algumas áreas inicialmente. Um software “sempre” tem uma documentação. Leia aqui no Microsoft Docs para conhecer a estrutura do Power BI. É um ótimo começo!

Comece a utilizar e verá que precisará conhecer M se seus dados precisarem de tratamento. Leia aqui no Microsoft MSDN Power Query M Reference. Adicionalmente, acompanhe especialistas, como o Ken Puls e Miguel Escobar e seu livro M is For Data Monkey.

Todo projeto de BI precisa de cálculos para responder questões de negócios. Considere fortemente ler o MSDN das funções DAX aqui. Adicionalmente, acompanhe autores especialistas, como os italianos Marco Russo e Alberto Ferrari e seu livro The Definitive Guide to DAX.

Fizemos um resumo de algumas fotos e participantes que marcaram presença abaixo. Como conversamos, cada um de vocês pode fazer diferença na empresa em que trabalham, aprimorando a análise de dados e extraindo riqueza deles, assim como fizemos na analogia do petróleo: não é qualquer um que fura um buraco no chão que acha petróleo, da mesma forma são com os dados. As vezes é difícil tratá-los e analisá-los da maneira correta, mas quando fazemos, uma riqueza informacional abundante pode ser aplicada em decisões estratégicas, podendo mudar o rumo das empresas ao aplicar conceitos de Business Intelligence nessas análises.

Outra dica é acompanhar especialistas brasileiros, como o Laennder Alves. Ele produz diversos vídeos sobre Power BI no YouTube de forma gratuita.

Lá no meu canal também tem um tanto de aulas especializadas. Acesse aqui e se inscreva também para ser “chamado” toda vez que um novo conteúdo for adicionado.

Participe de fóruns: tem o oficial em inglês e o fórum em português mantido pela comunidade brasileira. Se você tiver uma dúvida, não pergunte diretamente a um especialista, coloque em um fórum e ela ficará registrada e poderá ajudar muitas pessoas. Você faz parte do crescimento dessa comunidade. O nível de aprendizado é altíssimo ao ajudar outras pessoas com suas dúvidas. Mesmo que não saiba a resposta de imediato, tente desenvolvê-la.

Se precisar acelerar o conhecimento por meio de cursos profissionalizantes, veja os cursos da DATAB Inteligência aqui. E se você tem tempo para aprender, inicie um projeto simples e de baixo risco, estude suas possibilidades e vá aprendendo junto com seu progresso.

Lembre-se que nada é imediato e que um caminho deve ser percorrido para criar projetos de BI. Muitos me perguntam sobre quanto tempo é necessário para se especializar em Power BI. Não basta ler um livro ou fazer um curso, é preciso praticar para obter a experiência necessária para realmente aprender. Não é possível estimar um tempo, mas imagine um profissional que aloca 50% do seu tempo diário, todos os dias, para desenvolver projetos no Power BI. Concorda que depois de 1 ano ele terá uma noção razoável? Portanto, depende de quanto tempo você alocará e da complexidade dos seus projetos.

Outra pergunta muito frequente é qual faculdade fazer para se tornar um especialista em BI (nesse caso, no Power BI). Acredito que não existe obrigatoriedade, pois todo conhecimento necessário está disponível em livros, na internet, em cursos profissionalizantes e em documentações. O Power BI tem o conceito de Self-Service BI, portanto, seu objetivo é atingir não somente profissionais de TI, mas também analistas de negócios. É claro que existem níveis de especialização no Power BI, mas repito que não existe obrigatoriedade de graduação. Profissionais de TI, como Ciência da Computação e Análise de Sistemas poderão ter mais facilidade na lógica das linguagens de funções e em algumas configurações, mas isso não quer dizer que profissionais formados em Administração, Engenharia, Nutrição, Enfermagem estão “atrás” desses outros. Pelo contrário, o aprendizado vai depender da sua atitude e da forma como você busca ter experiência no que quer dominar. Não adianta ter o melhor diploma e não ter proatividade para correr atrás dos seus objetivos. Se você tem afinidade com tecnologia, escolha cursos relacionados a essa área. Será um caminho mais curto (talvez). Entretanto, se também gosta de negócios ou outra área específica, tente percorrer aquele que te dará a melhor amplitude e liberdade no mercado de trabalho.

Espero que esse artigo tenha sanado algumas de suas dúvidas sobre esse tópico. Utilize à vontade os dez passos mencionados no início para iniciar sua jornada.